Empresário vamos combinar, “o menos é mais” ok?

Ok, todo mundo sabe de cor essa máxima. Mas a questão é que a maioria concorda com ela na teoria, mas na prática faz justamente o contrário.

Por @cristianoweb - Em 28.10.2015


Os seres humanos tendem a avaliar algo grande como valoroso. Quem tem mais força, quem é mais belo, quem mora na maior casa. Dificilmente conhecemos alguém que tenha uma vida realmente minimalista, e em projetos web vemos o mesmo comportamento. Porém, menos é mais.

Mesmo o conceito web responsivo ganhando força em vários canais de debate de criação web e os números de ‘usuários mobile’ ganhando novos adeptos vetiginosamente, ainda é muito comum os empresários contratarem projetos pensando em “mais” e não em “menos”.

Eu trabalho com criação de layouts para sites desde 2008 e sempre que preciso refazer um projeto e concluo na minha análise de mercado do meu cliente que o site dele precisa ter menos páginas é bastante comum eu ouvir essa reação:

“Ué, eu estou pagando para você refazer o meu site e você vai me entregar algo menor?”

Claro que depois de sete anos ouvindo de vez em quando essa ladainha eu já tenho um discurso pronto na ponta da língua:

“Sim. Estou economizando o tempo que o seu usuário levará para achar no seu site aquilo que ele deseja para aumentar drasticamente a sua chance de conversão, e possibilitar que você ganhe mais dinheiro, ou pelo menos mais rapidamente.”

Mesmo assim, alguns ainda teimam e engorduram sites com papo furado e em geral assistem de camarote o seu visitante não se tornar ‘lead’ e encontrar no próximo link da busca a solução para os seus problemas.

Eu costumo dizer que certos empresários contratam designers para criarem sites para eles mesmos! Seus gostos, seus achismos e maneirismos são o norte para as tomadas de decisões de como criar um ‘layout Frinkenstein’. O resultado NUNCA é satisfatório, pois não atinge o público-alvo, e normalmente eles culpam o designer ou a própria Internet pelo fracasso da empreitada.

Empresários, empreendedores, startups precisam focar no “menos”:

. Com menos cliques, mais chance o usuário tem de chegar ao ‘call to action’ da conversão.
. Com menos páginas, a leitura é mais dinâmica e o objetivo fica mais em foco.
. Com menos texto, o conteúdo será mais coeso e direto, e o usuário não se frustrará navegando no seu site procurando o que necessita.
. Com menos firulas, você gastará menos requisições em banco de dados e poupará servidor.

Enfim, vamos combinar assim, o “menos” é sempre “mais”.