Logotipo nem sempre reflete a atuação de uma empresa

As vezes, o conceito da empresa é a melhor abordagem

Por @cristianoweb - Em 05.02.2016


Uma vez eu fiz um logotipo para um cliente (que ficará em sigilo por aqui) que atuava em 3 segmentos de negócio distintos. Era uma empresa relativamente nova, mas o dono já tinha bastante experiência em cada área e resolveu me contratar para criar o site e claro, o logotipo. Fizemos um ‘briefing‘ bem bacana e busquei, como sempre, entender bem cada uma das atuações, definindo as ‘personas‘ e como o seus respectivos mercados se comunicavam com o público.

Fiz uma pesquisa e definimos a comunicação do site, e em seguida enviei a proposta do logotipo com 3 variações do mesmo. A ideia era criar uma marca que transmitisse confiança para os usuários, além de solidez, sem deixar de passar a sensação de ser uma empresa acessível, onde o consumidor consegue falar facilmente com a mesma.

Não é preciso ser especialista de criação para perceber que optei por um logotipo simples, legível e com fontes sóbrias, mas ao mesmo tempo que tivesse uma certa familiaridade, e depois de dois dias, chega o ‘feedback’ do cliente:

“Gostei da primeira opção, mas achei a logo muito solta!”

Levei alguns minutos para digerir o comentário, e marquei uma nova reunião para conversarmos a respeito, e depois de algum tempo debatendo, consegui descobrir o que ele queria dizer com “muito solta”. Na ideia dele, o logotipo deveria ter um símbolo que representasse as suas atuações, e como eu optei criar o logotipo usando apenas fontes, ele achou “muito solta”. Eu disse para ele que nem sempre um logotipo precisa ter um símbolo atrelado e como o negócio dele envolvia 3 segmentos de mercado, preferi usar as fontes através de duas letras que cumpririam o papel do símbolo. Essas mesmas letras foram aplicadas em vários lugares como papel timbrado, cartão de visitas e claro no site, e sem dúvida foi a melhor opção.

Então se você está criando a sua ‘startup’ agora e vai criar um logotipo, tenha em mente a frase do designer gráfico David Airey, especialista em identidade de marcas:

“Só porque é relevante, não significa que você não pode fazer melhor com um design que não descreve o produto ou serviço que o cliente fornece.”

Um bom exemplo disso é o famoso e engraçado vídeo “Placa STOP”, que apesar de não ser sobre criação de logotipos, reflete bem quando queremos inserir funções demais numa peça visual.