Não use a rede social como busdoor

Cada canal tem o seu contexto

Por @cristianoweb - Em 21.03.2016


Na minha humilde opinião, busdoor é uma das mídias mais sub-aproveitadas que existe na publicidade. Claro que a dificuldade de se comunicar num canal que vive se mexendo e que o público tem pouquíssimos segundos para captar, processar e fixar uma informação de um produto ou serviço é uma tarefa árdua e com grande margem de imprecisão.

Quem garante que o SEU público-alvo verá a sua peça? Quem garante que ele entenderá a comunicação? E pior, quem garante que ele LEMBRARÁ do que viu?

Essa mídia é tão complicada que para o público possa vê-lo é preciso estar exatamente atrás de um ônibus, e de preferência parado, para conseguir ler o que está escrito, ou no máximo, emparelhado em parte do ônibus. Complicado!

Façam um exercício comigo. Imaginem que você está no seu carro parado no sinal vermelho e viu um busdoor que chamou a sua atenção. O sinal está prestes a abrir e você tenta ler o busdoor igual ao que está na imagem destacada desse post. Será que esses 5, 6 segundos serão suficientes para você conseguir ler todo texto da peça? Será que você conseguirá entender o conceito proposto? E principalmente, será que vai lembrar dele depois e vai querer entrar no site, enviar um e-mail, ou té mesmo ligar?

Acho que não né!

O conceito é até ‘ok’, mas você sabe realmente como faz para ajudar?
Definitivamente a peça não foi bem-feita, apesar de ser bonita!

É EXATAMENTE assim que muitos empreendedores usam as redes sociais quando vão se comunicar com o seu público. Não há FOCO no usuário e sim no seu produto, no seu serviço, ou apenas na beleza da peça. Um highlight no Facebook bem-feito divide tanta atenção quanto um gif animado de zoeira, ou o último vídeo do Porta dos Fundos. Não importa, o usuários vai dividir a sua atenção com tudo que aparece na ‘timeline’.

Tudo que é publicado na rede social é seu concorrente!

Quem usa as redes sociais como busdoor e cria peças que não convertem nada perde dinheiro. MUITO dinheiro.

Portanto caro empreendedor, contextualize sua arte! Gere curiosidade, provoque engajamento, estimule a curiosidade no usuário, faça com que ele queira participar da conversa. Caso contrário, seu ‘highlight’ será mais um busdoor na avenida.