Como o dólar alto afeta o seu bolso e o mercado brasileiro

Acha que a cotação do dólar não afeta tanto assim? Pense duas vezes

Por Keli Ricarte - Em 25.09.2015


Muitas pessoas ouvem falar e até falam na alta do dólar, porém poucas delas realmente entendem como esse fator interfere no mercado brasileiro. Para começar, precisamos entender como funciona a relação Real X Dólar e o que originou a tão falada alta da moeda americana.

Entendendo o aumento

Diversos fatores podem afetar o valor do dólar no Brasil e um deles é a taxa de juros americana. Quando os EUA aplicam uma taxa de juros sobre o dólar que sai do país, o valor dessa moeda em relação à moeda nacional aumenta. Porém, esse não é o caso atual já que a taxa de juros americana está próxima à zero.

A real situação é: a falta de credibilidade da economia e política brasileira elevaram o “Risco Brasil” causando um afastamento dos investidores estrangeiros no mercado brasileiro e, consequentemente, a escassez da moeda americana no país, aumentando assim o seu valor em relação à moeda nacional.

Mas o que é “Risco Brasil”? Resumindo de uma forma simples, é a medição do grau de instabilidade econômica do país, que leva em consideração a análise de fatores como dívida publica externa e interna, capacidade de liquidez e taxa de juros.

O fator “Risco Brasil” é usado por muitos investidores para analisar se vale apenas aplicar os seus recursos em um determinado país e quais os riscos da evolução do seu negócio. A credibilidade baixa da política brasileira e a economia em recessão estão assustando os investidores, que por sua vez, estão preferindo aplicar seus recursos em países com risco menor.

Como isso afeta o mercado?

A economia é baseada no fluxo circular da renda, que é o caminho que a receita gerada em um país segue para manter sua atividade econômica viva e saudável e funciona da seguinte maneira, falando de uma forma simples, quando é investido recurso em uma empresa, essa gera empregos e é dado a esses funcionários poder para consumo e que por sua vez, aumentam a capacidade de investimento das organizações, gerando mais empregos, poder de consumo e investimento, movimentando assim a economia.

Quando alguma dessas etapas é prejudicada, todas as outras também são causando um “efeito dominó”. Sem investimento, uma empresa corta seus recursos ocasionando demissões, afetando o poder de compra desses funcionários demitidos e consequentemente, o investimento e lucro das empresas. E assim o ciclo continua, mais demissões, menos consumo e investimento. O resultado disso é demissão em massa, empresas fechando suas portas e a tão famosa crise.