Contratar pessoas erradas pode quebrar a empresa

Saber montar o time é um grande desafio para o empreendedor e essencial para o sucesso da empresa

Por Monique Fernandes - Em 05.11.2015


Em setembro de 2015, quando visitava a sede do Evernote, em Redwood City, eu ouvi do vice-presidente Latam da empresa, Luis Samra, a seguinte frase: “Contratar as pessoas erradas pode fazer sua empresa quebrar.” Essa sentença fez todo o sentido para mim. Eu sabia bem o que era isso, pois, em torno de 15 dias antes desse encontro, eu tinha finalizado a troca da equipe da Tagarela.

Um grande erro que boa parte dos empreendedores comete é pensar no planejamento da empresa, no modelo de negócios, no branding, mas acaba deixando de lado como aprender a contratar. Eu também passei por isso. Afinal, ninguém nos ensina a avaliar e selecionar pessoas. Iniciei o processo de troca da equipe em abril de 2014 e terminei em agosto do mesmo ano. Trocar o pneu com o carro andando foi algo bem difícil, mas era necessário fazer para a empresa não quebrar, como o Samra comentou. Isso é um processo que precisa ser feito com o todo o cuidado para nada sair errado, porém, o mais rápido possível. A ideia é minimizar o impacto disso para os clientes e no andamento da empresa.

Encontrar talentos para startups e micro-empresas é algo bem complicado. Normalmente, custam muito no mercado de trabalho. Durante esse processo de contratações e demissões aprendi algumas boas lições que podem ser bem úteis para outros empreendedores:

– As pessoas são contratadas pelo o que elas estudaram e demitidas por quem elas são: busque contratar as pessoas pelo o que elas são. Na entrevista, avalie sim a capacidade técnica, mas dedique um bom tempo a descobrir quem essa pessoa é! O que ela gosta, para qual time torce, planos para o futuro etc. Saber esses detalhes são extremamente importantes para a empresa, pois ali você consegue saber se o candidato está alinhado com a sua equipe e se tem o espírito da empresa.

– Busque pessoas que tenham o espírito e se encante com a sua empresa: o candidato que logo na entrevista está mais preocupado com salário e benefícios do que com a empresa em si e a oportunidade de fazer algo novo, na primeira oportunidade, pode trocar a sua empresa por uma outra que pague uma diferença pequena no salário, ou que ofereça alguns benefícios que você, por ser um pequeno negócio, ainda não consegue oferecer.

– Dê oportunidade para pessoas com pouca ou nenhuma experiência: Descobri que mudar crenças e valores das pessoas é impossível caso elas não queiram, já as tarefas da função a ser desempenhada podem ser aprendidas facilmente. E, normalmente, quem está começando tem muita vontade de aprender.

– Demore a contratar: Avalie bem, converse, negocie, faça quantas entrevistas achar necessário e testes antes de decidir qual candidato vai ser contratado;

– Demita rápido: Use bem os três meses de experiência da CLT. É o período de adaptação e veja bem se aquela pessoa se encaixa no seu time. Se perceber que não encaixa, demita o quanto antes para que não prejudique o bom andamento da empresa;

– Considere as escolhas que a pessoa fez na vida dela até o momento: como diz Steve Jobs, os pontos tem que se conectar e as escolhas tem que fazer sentido.

– Acima de tudo, use o seu feeling. Acredite, o empreendedor usa muito mais o feeling para empreender do que contam por aí e ele conta muito.

Se você sentar para conversar com alguém que esteja com problemas financeiros e esteja aceitando a vaga pelo dinheiro, mas você acha que se ele entrar na sua empresa, vai conquistá-lo. Pode apostar que a chance de você estar certo é grande! Mas, se você achar que essa pessoa, apesar do perfil preencher os requisitos que busca, não vai funcionar. Não contrarie a sua intuição. A chance de se arrepender é grande. Todas as vezes que eu fui contra ao que meu feeling dizia, eu me arrependi.