Se você não conhece o seu público é melhor nem começar empreender

Afinal, empreender é ter uma missão de vida, não de ter sucesso!

Por @cristianoweb - Em 17.03.2016


Há quem diga que qualquer um pode empreender e que ter sucesso só depende de nós.

Eu discordo em parte dessa opinião, pois, pra mim, a nossa cultura sobre empreendedorismo ainda é bastante distorcida, e em geral, mais focada no sucesso do que na construção de algo útil. Felizmente, algumas iniciativas educacionais pipocam pelo país, mas ainda deve demorar a mudar o conceito de uma geração. Vamos aguardar pra ver!

Pensando nesse assunto, me ocorreu outro dia um projeto que fiz há mais ou menos uns 4 anos atrás. Chegou até mim um projeto de um profissional que depois de trabalhar mais de 20 anos na sua área, viu que era hora de empreender e criou o seu próprio site, mas como não gostou muito do resultado, ele me contratou para refazê-lo.

Como sempre faço nos meus projetos, eu entrevisto o meu cliente baseado no meu ‘briefing online’ para ter uma ideia de que tipo de projeto eu farei e como é o perfil desse empreendedor. Nesse documento eu tenho várias perguntas conceituais e técnicas, que baseado nas respostas dos clientes eu traço um perfil da necessidade do projeto e como será o seu estilo.

Perguntas do tipo “Qual é o seu tipo de atuação?” e “Quais os pontos fortes da empresa?” ajudam o cliente a começar a desenvolver um pensamento mais linear sobre a necessidade do seu projeto. Já as perguntas “Qual o percentual do público-alvo da sua empresa?” e “Que tipo de imagem gostaria que projeto transmitisse?” me auxiliam a entender qual é a voz da empresa e como ela pretender se comunicar com o seu público-alvo.

A questão é que esse cliente não sabia responder NENHUMA PERGUNTA do meu briefing!!!

Ele não conhecia a concorrência, não sabia como eles atuavam e como se comunicavam na Internet. Não sabia se a maior parte do público era homem ou mulher, nem faixa-etária, nem classe social. Nada!

Nosce te ipsum” – Em Latim essa expressão significa “Conheça a ti mesmo“.

Foi com essa frase que eu terminei a entrevista. E ele ficou de pensar mais sobre o assunto e algum tempo depois, mesmo com muita dificuldade de arrancar alguma informação desse cliente, o site foi para o ar, mas o negócio não vingou e apenas 2 anos depois, a empresa fechou e com ela o site que eu fiz.

Moral da história:

É fundamental conhecer a si mesmo e o seu público. Cabe a você unir essa linha entre uma ponta e outra. E sem conhecer as pessoas, dificilmente você conseguirá, assim como o meu cliente não conseguiu.