Tagarela: há três anos começava uma boa história

Matando um leão por dia, há mil dias e contando

Por Monique Fernandes - Em 07.01.2016


“Empreender no Brasil não é para amadores.” Essa frase sempre ecoa na minha cabeça diante de algum desafio maior, ou falhas cometidas. Eu e meus amigos empreendedores a falamos muito. Na verdade, eu acredito que empreender em qualquer lugar do mundo não é para amadores. Porém, no Brasil, especialmente, pois nós não fomos educados para isso. A escola te prepara para passar em concursos, vestibulares, mas não nos ensinam nem a gerir nosso próprio dinheiro, quanto mais desenvolver o nosso lado empreendedor.

Na minha visão, isso é o que faz ter uma alta taxa de mortalidade de empresas que morrem nos primeiros dois anos de vida. Hoje, eu estou aqui para comemorar que a Tagarela ultrapassou essa estatística e celebra três anos de vida. Não! Nós não estamos livres de quebrar, morrer, nem estamos voando em céu de brigadeiro ainda, mas só alcançar essa já é motivo para festejar. Mas eu quero mais. Muito mais! E não vou ficar satisfeita somente com essa marca.

Todos os dias eu me pergunto o motivo, a razão pela qual eu estou empreendendo. Afinal, são três anos de muita ralação, dores de cabeça, noites de insônia, de grana contada, decisões tomadas sozinha na calada da noite, de conselhos pedidos aos mentores… Porém, são três anos de bons contratos fechados, de trabalho bem feito, de boas pessoas trabalhando na equipe, de muito reconhecimento desse trabalho, de bons clientes, de muitas viagens, muitas reuniões, de bons amigos feitos ao longo do caminho e espalhados por esse brasilzão… Três anos de felicidade! :)

Ao longo desses cinco anos empreendendo e três a frente da Tagarela, por inúmeras vezes eu tive vontade de desistir. Todo empreendedor já passou por isso algumas vezes. Sei o meu propósito e é isso que me motiva e que me faz seguir em frente: enquanto eu acordar feliz em ir para a Tagarela, eu não vou desistir. E que venham mais três, seis, nove… vinte anos Tagarelando muito!