Comunicação Interna como Ferramenta de Marketing

Colaboradores felizes e uma boa comunicação interna é a junção perfeita para o sucesso da imagem externa

Por Leonardo Leão - Em 24.06.2015


Nós, comunicadores, quase que automaticamente vemos qualquer pessoa como fonte para falar sobre algo. Ou seja, funcionários são fontes, são formadores sinceros de opinião e podem retratar de forma positiva ou negativa a imagem da sua empresa. E acredite, vale mais do que publicidade.

Muitos dos funcionários, até pelo mercado que temos, estão acostumados com pouco. Talvez não busquem um grande salário ou benefícios, e estejam atrás apenas de valorização, carinho, respeito. Investir em pessoas é uma ótima ideia sempre. Prêmios, presentes, um chefe maleável que conversa e tente entender seus comandados, diversos pequenos detalhes que diferem o “minha empresa é uma merda” do “eu amo trabalhar lá”.

E, com certeza, uma frase positiva dessas sendo transmitida de boca a boca ou por qualquer tipo de mídia social, vale mais que publicidade. Na duvida entre qual produto escolher, o consumidor vai preferir aquela empresa que valoriza seus conhecidos, amigos e familiares. Isso faz toda a diferença.

Por isso, a comunicação é um meio muito maior do que realmente pensamos. Está ligado diretamente com relacionamento, com gestão de pessoas, com imagem. Tanto a parte financeira como a parte técnica de uma comunicação, deve abranger muito mais do que é hoje em dia. E entra, a partir daí, a importância da Comunicação Interna.

Você possui funcionários felizes, porque você é um bom pagador. Você, quando pode, antecipa o dinheiro do feriado. Põe prêmios, faz sorteios, instiga o trabalho com resultado. Presenteia as mães, as mulheres. Você leva, um dia, os filhos ao trabalho para acompanhar os pais. Você cativa. Você faz da sua empresa um ambiente leve.

Use a comunicação para fazê-los entender o que são seus ideais, e para que eles se apaixonem ainda mais pela sua empresa. Tão importante quanto cativa-los, é apresentá-los ao seu negócio. É importante que eles conheçam a história do dono, que eles se identifiquem, comparem. Todos esses detalhes vão fazer funcionários e empresa falarem a mesma língua.

Bem, agora precisa fazê-los interagir entre eles e com o mundo exterior. Um funcionário precisa ver que o seu colega também é feliz ali, e que todo o setor está satisfeito. Isso o traz ainda mais para o lado da empresa. Promova o happy hour, a interação, os almoços em grupo, gincanas, reuniões, isso tudo é comunicação.

Chega a parte final do processo: a transição do interno para o externo. Divulgue a felicidade de seus funcionários. Faça-os divulgar também, por mais que isso aconteça já de forma espontânea. Faça seus colaboradores participarem da comunicação da sua empresa. Ninguém sabe e vive mais ela do que eles. Eles têm rede social, eles têm boca, eles são doidos para aparecer representando a empresa. Eles têm histórias lindas para contar, algumas que dizem que sua empresa os “salvou”, deu uma “oportunidade única”, é uma inspiração.

Exemplos não faltam. Eu vi minha mãe passar décadas em uma grande empresa do ramo de planos de saúde, e que é filantrópica. Ajudou e muito na minha formação e de minha irmã, pois a filosofia dela é de ajudar seus colaboradores. Tinha dias das crianças na empresa, em que eu via minha mãe trabalhar. Como tinha também cinema com os filhos, disponibilizado pela empresa. Precisei do plano para uma cirurgia e eles estavam lá, dando mais até do que precisava, para me ajudar. Confesso que mesmo sendo criança, passei a ser fã da marca, depois de crescido.

Sua empresa não precisa ser uma dessas, mas se for o suficiente para que seus funcionários falem bem de você, já é um trabalho bem feito. Porque eles vão divulgar isso para outros. As pessoas amam comunicar. Amam falar de tragédia, mas amam também falar das boas surpresas da vida.

Hoje, se fosse para escolher um plano de saúde, eu escolheria certamente o da empresa que minha mãe trabalhou, porque passei a me identificar com a empresa pelo que ela fez por nós. O funcionário também é um cliente e é prospector direto para outros. Eu, minha irmã, todos da minha família e vários que sabem da história vão se identificar e se colocar como potenciais clientes. Por causa de uma funcionária, minha mãe, eu tô aqui contando uma história para todo mundo.

Outro bom exemplo é o do Instituto Beleza Natural, que é empreendedor Endeavor. A empresa valoriza suas funcionárias, inclusive dando tratamentos para seus cachos e as usando como modelos, assim como fazem com as clientes também. Achei isso maravilhoso, sincero, puro, e consegue transmitir o valor de uma empresa sem usar publicidade ou qualquer outro meio comprado.

A imagem que eles passam é tão boa, que a Monique Fernandes, fundadora da Tagarela, ao conversarmos sobre isso, me disse que foi ao Instituto e percebeu como as funcionárias são engajadas e felizes de trabalharem ali. Ela saiu de lá maravilhada. A impressão dela sobre o Beleza Natural é a melhor possível. Ela já me contou sobre isso, e toda a Tagarela agora sabe. Consequentemente, vocês. Quer comunicação mais eficaz que essa?

O funcionário é um cliente. Do que adianta ter mil funcionários em uma empresa se eles usam a concorrência e dizem o quanto ela é melhor? Ou aqueles atendentes de rede de fast food que reclamam o tempo todo de trabalhar lá e comem no outro por pirraça? Se você for uma lovemark para seus comandados, você automaticamente alcançará seus familiares e amigos e por aí vai. A comunicação é basicamente uma onda que se propaga.

Você prefere gastar milhões só com publicidade e se tornar uma marca amada pelo poder da TV? Eu entendo e respeito. Eu prefiro gastar muito menos, ajudar muito mais pessoas e me tornar uma lovemark com um projeto muito maior, muito mais puro e de resultado muito mais significativo. Se você pensa como eu, acredito que o caminho está na valorização dos funcionários e no bom uso da comunicação interna e externa junto ao marketing.