O que Aécio e Moro ensinam sobre assessoria de imprensa?

Uma imagem vale mesmo mais do que mil palavras

Por Monique Fernandes - Em 09.12.2016


Houve uma época em que o “ter” era muito mais importante do que o “ser.” Com tempo, chegamos na era do parecer ser. Consiste em que fingir ser alguém é muito mais importante do que ser quem, de fato, você é. Hoje vivemos em uma era, onde as pessoas contratam fotógrafos para fazer um pacote de fotos de “looks do dia,” para serem postados no Instagram, ao longo do mês, ou fotos profissionais de pratos de comida com o mesmo objetivo. Em tempos de parecer ser algo ou alguém, nunca foi tão certeira a máxima que aprendemos antes de chegarmos aos bancos da faculdade de jornalismo: “uma imagem vale muito mais do que mil palavras.”

Imagens, para os veículos de notícia, sempre foram muito mais importantes e sempre falaram muito mais do que qualquer texto de 1 zilhão de caracteres. E, em tempos de internet, redes sociais, messengers e WhatsApp, imagens correm o mundo inteiro em menos de uma hora. Foi exatamente isso que aconteceu com a foto do senador do PSDB Aécio Neves e do juiz Sérgio Moro, principal responsável pela condução da operação Lava-Jato, essa semana, no prêmio IstoÉ 2016.

Sem qualquer juízo de valor e fazendo uma análise fria, a foto retrata dois companheiros de prêmio, sentados lado a lado, que pareciam estar cochichando e sorrindo, sentados atrás do presidente Michel Temer. Não demorou muito para aquela imagem estar em todos os sites de notícia, timelines de rede sociais e se transformar em centenas de memes diferentes.

Todos nós sabemos que o fato de o juiz julgar a principal operação contra a corrupção do país, ser flagrado nessa cena, deixou perplexo o Brasil e muitas especulações foram levantadas sobre o caráter dos personagens da imagem, ou sobre a condução da Lava-Jato.

Esse caso, em particular, nos ensina muito sobre a importância de uma assessoria de imprensa para trabalhar a imagem de uma empresa e/ou uma figura pública, como no caso do Moro. É ilegal, ou imoral o Moro estar sentado ao lado do Aécio? Não, não é! Mas é questionável para a população em geral. Virou meme, piada e deu muita munição para o “Fla x Flu” político no Facebook.

O pecado de Moro com a sua imagem

Não sabemos como se deu a configuração do palco, como e o por quê, o cerimonial pensou naquela disposição de pessoas. O fato é que, o evento pertence a uma revista, obviamente, estaria cheio de fotógrafos. Além disso, hoje em dia, qualquer pessoa tem um celular com câmera e poderia fazer um registro dos dois juntos e publicar na internet. Um assessor de imprensa, claramente, pensaria no lado negativo da repercussão de uma possível imagem dos dois juntos. O grande público ignora o fato de que o juiz Sérgio Moro não tem poder para investigar, somente para julgar e que o Aécio e Temer tem foro privilegiado e, que pelo menos, por enquanto, estariam longe da alçada de Curitiba. Mesmo com todos esses detalhes, mesmo não sendo ilegal, seria de bom tom, alguém pensando que seria melhor, para a imagem do juiz, que ele estivesse sentado longe de suspeitos da Lava-Jato.

Trazendo isso para a realidade das empresas, já orientei diversos clientes sobre como se portar nas suas redes sociais. O que postar e o que não postar, afinal, a imagem dele está associada a empresa que ele dirige. Isso vale para o time de colaboradores também, onde sempre passo orientações em treinamentos internos. Afinal, o pequeno deslize, uma simples foto, da qual não sabemos o contexto, num evento, pode trazer grandes danos à imagem do juiz e da operação, que podem nunca conseguirem limpar. Eu sempre digo aos clientes: é muito mais fácil destruir uma imagem do que construir. Anos de trabalho podem ser jogados no lixo, com um post nas redes sociais, ou com uma foto, fora de contexto, viralizada na web.