Retrospectiva 2016: Bel Pesce e a queda da Menina do Vale

Entenda o que a Menina do Vale fez de errado na estratégia de lançamento da hamburgueria Zebeleo

Por Monique Fernandes - Em 26.12.2016


Se 2016 foi um ano que muitos querem esquecer que ele existiu, existe uma pessoa, em especial, que acredito querer isso mais do que muitos mortais e ela se chama Bel Pesce!

Relembre o caso Bel Pesce e a hamburgueria Zebeleo

Como muitos sabem, a Menina do Vale, quebrou a internet (no jargão da web), em agosto. Logo após a final do Masterchef Brasil 2016. Bel anunciou que lançaria uma hamburgueria com o vencedor da terceira temporada do reality de gastronomia, Leonardo Young e o autor do blog do Pão ao Caviar, Zé Soares. O estabelecimento iria se chamar Zebeleo, as sílabas inicias de cada sócio formava o nome da hamburgueria. Abrir um negócio com amigos é normal, mas o tribunal da internet não achou justo pelo fato de lançarem uma vaquinha coletiva para financiar o negócio, na semana em que um dos sócios ganhou um prêmio de 150 mil reais em dinheiro por vencer um programa de televisão e mais inúmeras oportunidades de capitalizar o negócio que essa oportunidade traria.

A gente sabe que a internet é incrível, nos rendem vários momentos de diversão e o público que nela habita, alça a status de celebridade pessoas normais. Mas, também sabemos que, ela é igualmente cruel e não perdoa quando alguém erra. Em 24 horas após a final do programa, o ganhador do MasterChef passou de queridinho da internet a aproveitador por estar pedindo dinheiro para abrir uma empresa. Em paralelo, pessoas do ramo de empreendedorismo que sempre questionaram a figura Bel Pesce e a estratégia dela de self promotion, começaram a atacar a profissional e a pessoa. E tudo piorou quando a Bel Pesce veio a público se justificar, pois ela disse que as pessoas não entenderam a campanha.

Essa atitude só fez os ataques aumentarem e tirar o holofote do Leo, do MasterChef e colocá-la sozinha como o centro da polêmica. Nessa posição, não demorou muito para um blogueiro, chamado Izzy Nobre, fazer o que nenhuma pessoa da imprensa fez em quatro anos: investigar a história da Menina do Vale. Descobriu-se que, na prática, Bel não tinha os cinco diplomas do MIT, não era fundadora da Lemon, mas uma funcionária da empresa e que os cargos Google e na Microsoft não passavam de estágios de verão (aqueles que duram três meses, no máximo), e que não tinha sido responsável por nenhum projeto importante naquelas empresas. Não demorou para concluírem que o grande exemplo de empreendedorismo, não passava de uma fraude. O que era para ter sido uma grande jogada de marketing, virou a destruição da imagem empreendedora da Menina do Vale construída ao longo desses quatro anos.

O erro de estratégia de Bel Pesce

Bel Pesce errou feio, errou rude. A jovem já tinha feito outras campanhas, bem-sucedidas, de financiamento coletivo para outros projetos dela, então, partiu do princípio que essa também seria. Era a estratégia perfeita: juntar os fãs do ganhador do programa, os fãs dela e os seguidores do blog do Pão ao Caviar, para que conseguissem o capital inicial para abrir o negócio.

Muitas pessoas se utilizam desse recurso para financiar suas ideias e, muitas empresas, já estabelecidas no mercado, se valem do crowdfunding para financiar o desenvolvimento de um app, por exemplo. Porém, Bel Pesce subestimou a internet, formatando errado a estratégia da campanha. Investimento alto e recompensas como adesivo e chaveiro revoltaram os seguidores.

Ao afirmar que o público não havia entendido o que eles pretendiam com a vaquinha, incita ainda mais a ira das pessoas contra ela. Ao ter a vida profissional devassada pelo Izzy Nobre, Bel Pesce, levou uma semana para responder. As vezes, é necessário um pouco de tempo para digerir toda a situação e até pensar na melhor estratégia. Na era de pessoas conectadas o tempo inteiro, cada minuto é crucial para destruir ou salvar uma imagem. O silêncio, nesse caso, foi a pior escolha. As pessoas que compraram seus cursos, seus livros e a admiravam esperava por uma explicação. A cada dia que se passava, a internet devassava ainda mais a vida da Bel Pesce: e-mails para o MIT, Tweets para Wences Casares, CEO da Lemon e a cada minuto surgia um texto novo no Medium sobre o caso Bel Pesce e a Zebeleo, uma análise diferente para fazer click-bait.

 

Twitter_Casares_Pesce

 

Quando Bel saiu do silêncio, o estrago já estava feito. Milhares de seguidores já haviam abandonado seus perfis nas redes sociais. A imagem já estava bem danificada. A hamburgueria já havia ido para o Beleléu (desculpem o trocadilho infame). E, mais do que isso, a credibilidade de Menina que saiu do Brasil e empreendeu no Vale, já tinha caído por terra. Depois de um texto explicativo, no Medium da Bel Pesce, a polêmica só ficou pior. Então, Bel soltou uma última resposta, em vídeo, de madrugada e sem alardes. O abatimento era visível.

O erro da imprensa brasileira e a grande lição aprendida

Quem criou a imagem da Bel Pesce? A mídia! Graças a estratégia de assessoria de imprensa. O Brasileiro adora heróis e vilões e a mídia tinha uma heroína perfeita em 2012, num ano de ascensão do país e do empreendedorismo; brasileira que foi para os EUA, criou uma empresa, vendeu e volta para empreender em seu país de origem. Linda história! Diante de tanta credibilidade, nenhum repórter fez o básico de jornalismo: entrou em contato com a Lemon, com o MIT, ou qualquer outra instituição que ela disse fazer parte, em algum momento da sua vida, para checar a veracidade das informações divulgadas pela própria.

Pela primeira vez, desde que a internet existe no Brasil, matérias de 2012, foram editadas quatro anos depois. Vários veículos de comunicação correndo para alterar seus textos publicados, mas era tarde, os prints já haviam sido feitos.

A lição que podemos tirar dessa história é, antes de 2016 acabar é: sempre checar a veracidade das informações e não sair compartilhando histórias sem sabermos se é falsa. Para a imprensa é fazer o bê-a-bá de jornalismo: não publicar nada sem ter a certeza da veracidade das informações.