A Matrix já chegou e Zuckerberg é o arquiteto

Onde estaremos nos próximos 10 anos?

Por Felipe Vinha - Em 22.02.2016


O Mobile World Congress 2016, evento voltado para o mercado de dispositivos de bolso e gadgets, está rolando em Barcelona, na Espanha, e com ele já tivemos novidades quentíssimas que representam os próximos meses ou anos da computação. Há quem diga que a coletiva de imprensa da Samsung nos mostrou um pedaço do que pode ser a Matrix no futuro, com direito a Mark Zuckerberg, o criador do Facebook, no palco.

O Arquiteto

A foto que marcou o domingo deu o tom da discussão. Durante a coletiva da Samsung, Zuckerberg subiu ao palco para apresentar novidades e falar sobre realidade virtual. Antes disso, porém, o criador do Facebook andou calmamente pela plateia, sem ser tietado ou fotografado pelos milhares de jornalistas presentes. Também pudera – todos estavam com seus visores, impedindo que enxergassem o mundo real naquela hora.

Memorável é pouco para definir o momento. Há quem compare a cena com o filme Matrix, onde humanos foram dominados por máquinas e suas mentes viviam em um mundo de mentiras, totalmente virtual. Outras pessoas lembram do livro Jogador Número 1, e assim podemos traçar enormes paralelos com outras obras de ficção científica e futurismo por aqui, até chegar a uma conclusão que pode não ser correta.

O que importa veio a seguir: após a surpresa inicial do público presente, e ao ver Mark no palco, todos se alvoroçaram e tentaram tirar fotos próximas, “selfies” ou até tentar chegar mais perto do “Arquiteto”. Ao deixar de lado a realidade virtual, foi mais importante e empolgante estar ali, vendo o criador de perto e tendo a chance de ser notado por aquele que é um dos homens mais importantes do século XXI.

Onde chegaremos: do Vale do Silício à Matrix

Mark Zuckerberg hoje é uma espécie de messias virtual. Sua plataforma fez sucesso que transcendeu o universo digital, criou e abocanhou outras empresas, seja comprando-as ou derrotando-as no mercado. A tecnologia permitiu isso. Do jovem que programava na faculdade com seus colegas de quarto ao CEO da companhia de grande expressão do Vale do Silício. E isso tudo em menos de 10 anos.

Zuckerberg começou em algum lugar, mas ele acreditou e fez – por mais questionáveis que podem ter sido seus métodos para alguns. Hoje ele está à beira de construir um novo mundo. O Facebook não é mais apenas uma rede social de sucesso. Ele também é o dono do Oculus Rift, outro dispositivo de realidade virtual que promete nos levar para esse novo mundo.

Hoje, quem somos? A pessoa que vai apenas sentar com o visor acoplado na cabeça e vivendo em um mundo que não é real, sem preocupações, ou a pessoa que vai não apenas fazer isso, mas também criar os próximos novos mundos, os próximos Arquitetos. A tecnologia já provou que é possível, mas ela não anda sozinha – lembre-se sempre disso.