Dez filmes obrigatórios para profissionais de comunicação

A sétima arte já mostrou diversas vezes aspectos do dia a dia dos profissionais de comunicação

Por Vanessa Santos - Em 09.06.2015


É muito comum que o cinema levante questões relevantes como sexualidade, política, religião, entre outros assuntos, polêmicos ou não. Com a comunicação não é diferente. Filmes que tratam do tema acabam virando item quase obrigatório para quem atua na área ou deseja compreendê-la, transformando essas produções em clássicos.

O cinema já mostrou diversas facetas dos profissionais de comunicação, seja mostrando o dia a dia, os dilemas enfrentados ou o ambiente em que trabalham. Na lista a seguir, mostramos dez filmes que debateram direta ou indiretamente esse universo.

1. Todos os Homens do Presidente (1976)

Muitos o consideram uma aula de jornalismo contemporâneo. E é mesmo! O filme fala do escândalo de Watergate, que aconteceu em Washington em 1972 e ganhou as páginas de todos os jornais do mundo. A produção mostra um repórter do  Washington Post que inicia uma investigação sobre a invasão de cinco homens na sede do Partido Democrata, dando origem ao escândalo que teve como consequência a queda do então presidente Richard Nixon.

2. Nos Bastidores da Notícia (1987)

Um clássico do gênero, essa comédia romântica – sim, comédia e romântica – discute temas importantes como princípios, valores éticos, competência profissional, trabalho em equipe e competição. Com tantas questões desse tipo em pauta teria tudo para ser uma produção pesada, mas pelo contrário! Trata-se de um filme envolvente, que equilibra todos os elementos água com açúcar do gênero com questões altamente relevantes para a profissão.

3. Muito além do Cidadão Kane (1993)

O documentário britânico é um retrato bastante fiel das relações entre mídia e poder no Brasil. A produção detalha a posição dominante da Rede Globo na sociedade brasileira, debatendo sua influência, seu poder e suas relações políticas, vistas muitas vezes como manipuladoras. Roberto Marinho, ex-presidente e fundador da Globo, foi o principal alvo das críticas do documentário, sendo comparado a Charles Foster Kane, personagem criado em 1941 por Orson Welles para Cidadão Kane, um drama de ficção baseado na trajetória de William Randolph Hearst, magnata da comunicação nos EUA. Apresenta depoimentos de personalidades brasileiras, como o cantor e compositor Chico Buarque de Hollanda, os políticos Leonel Brizola e Antônio Carlos Magalhães, o ex-Ministro da Justiça Armando Falcão, o publicitário Washington Olivetto, o escritor Dias Gomes, os jornalistas Walter Clark, Armando Nogueira e Gabriel Priolli e o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

4. O Quarto Poder (1997)

A expressão “quarto poder” refere-se ao poder dos meios de comunicação, que manejam a opinião pública a ponto de ditar regras de comportamento, influenciar as escolhas dos indivíduos e da própria sociedade. E isso fica muito claro nessa produção estrelada por Dustin Hoffman e John Travolta, que mostra a manipulação exercida por um repórter a fim de favorecer seus próprios interesses. E vai além: mostra a capacidade que os meios de comunicação têm de construir e desconstruir mitos, a sede por notícias – sejam elas reais ou não -, e faz uma análise do sensacionalismo, tão presente em nossa sociedade.

5. Capote (2005)

O filme, baseado em uma história real e dirigido por Bennett Miller, é um prato cheio para quem deseja saber como nasce um romance de não ficção, também conhecido como livro reportagem. Capote alegava que, nas mãos do escritor certo, histórias de não-ficção poderiam ser tão emocionantes quanto as de ficção. A produção mostra como o escritor, que trabalhava para a revista The New Yorker, concebeu uma de suas obras mais famosas: “A Sangue Frio”. Vale destacar que Capote foi pioneiro no jornalismo literário.

6. Boa Noite e Boa Sorte (2005)

A história se passa nos anos 50, época em que o senador Joseph McCarthy empenhou-se em uma caça aos supostos comunistas no país. E é nesse cenário que a produção se desenrola, mostrando o âncora de TV Edward R. Morrow, o produtor Fred Friendly e sua equipe de repórteres desafiando o governo em uma luta pelo bom jornalismo, mostrando os dois lados da questão. Trata-se de um grande debate sobre liberdade de expressão.

7. Scoop – O Grande Furo (2006)

Essa comédia de Woody Allen conta a história de uma estudante de jornalismo americana que está visitando Londres. Ela vai a um show de mágica e, enquanto participa de um truque, o espírito de um repórter morto recentemente aparece lhe oferecendo um grande furo: a identidade de um assassino. É uma ótima oportunidade de ver como pode ser conflituosa a relação de uma “foca” – como são chamados os novatos na profissão – com um veterano em busca da reportagem de sua vida. Além de, é claro, ser fruto de mais uma parceria entre o cineasta e Scarlett Johansson, uma das atrizes mais talentosas de sua geração.

8. Frost/Nixon (2008)

Em 19 de maio de 1977, quase três anos depois de renunciar à presidência dos Estados Unidos, Richard Nixon concedeu uma raríssima entrevista ao britânico David Frost. A conversa, gravada em quatro dias diferentes, se tornaria a mais vista da história da televisão mundial. Organizada como se fosse um documentário, a produção mostra os assessores de Frost e Nixon relembrando detalhes da tensa gravação, ajudando quem assiste a acompanhar a tão esperada conversa sobre o escândalo de Watergate e a Guerra do Vietnã.

9. Garota Exemplar (2014)

A adaptação do livro de Gillian Flynn fala de três dos temas mais comuns na sétima arte: vingança, traição e mentira. O filme de David Fincher mostra o comportamento sensacionalista da imprensa em torno de uma história mal resolvida, trazendo lições de planejamento de comunicação e mostrando como as aparências podem enganar a todos.

10. O Abutre (2014)

O filme conta a história de um jovem que, em dificuldades para conseguir um emprego formal, decide entrar no agitado submundo do jornalismo criminal independente de Los Angeles. Traz uma ótima discussão sobre os limites éticos na busca por audiência, a concorrência entre freelancers e questiona ainda o noticiário que apenas explora as tragédias humanas.

MENÇÃO HONROSA

O Diabo Veste Prada (2006)

Embora o filme fale muito mais do mundo da moda do que de comunicação em si, vale a pena conferir a saga da recém-formada Andrea Sachs e suas tentativas de se tornar uma repórter respeitada. Ela consegue emprego na revista de moda mais importante de Nova York e passa a trabalhar como assistente da principal executiva do ramo imaginando que, depois de um tempo, a experiência poderia abrir portas em veículos respeitados. Quem não conhece alguém que viveu experiência semelhante?