Nem toda informação é notícia

Quando identificar a melhor forma de classificar uma notícia.

Por Monique Fernandes - Em 11.11.2013


Ao contratar uma assessoria de imprensa é comum a ansiedade por resultados. A empresa contratada deve orientar os clientes sobre as possíveis oportunidades de notícia que são de interesse da mídia. Jornalistas são acima de tudo contadores de histórias. E somente as boas histórias que serão publicadas.

Mas o que são boas essas boas histórias? Histórias empreendedoras são sempre bem vistas pelos jornalistas. Mas claro, se você teve o investimento inicial da sua empresa feito pelo seu pai e não passou dificuldades na gestão do seu negócio e não traz nada novo para o mercado, dificilmente sua história vai ser contada. Agora, se você não tinha o capital inicial, fez um crowdfunding ou vendeu produtos sem que existissem ainda para conseguir a verba para abrir a sua empresa, isso interessa muito aos jornalistas.

Parece fácil? Mas acaba se tornando complicado de entender: é que nem toda informação é de interesse do jornalista. Tem alguns casos que, a história não será descartada como um todo. Cabe ao assessor identificar o fator relevante e polir a informação da melhor maneira possível para que ela se torne atraente aos olhos da mídia pensando, claro, no público que o veículo atinge. Isso só será possível se cliente e assessor trabalharem em conjunto para que tudo saia redondo.

Talvez o lançamento de um produto sem um diferencial claro, ou que já tenha alguma empresa fazendo algo semelhante no mercado, não seja relevante. Mas, a forma como foi elaborado, a pesquisa por trás do lançamento, ou até mesmo o processo de desenvolvimento possa chamar mais a atenção do que o simples produto em si. É este tipo de colaboração entre cliente e assessor que dão os melhores resultados.