Neste dia do jornalista, bem que poderíamos ter super-poderes

Jornalista sofre, então que tal alguns poderes para ajudar nossa vida?

Por Felipe Vinha - Em 07.04.2016


“Meu filho resolveu fazer jornalismo” pode ser a frase que aterroriza alguns pais que já trabalham na área e sabem como ela é ingrata e difícil. É claro que qualquer profissão tem seus percalços e embaraços, mas, ultimamente, os jornalistas parecem estar sofrendo mais do que o normal, seja no Brasil ou no mundo. Sortudos são os heróis dos quadrinhos que trabalham nessa vida, que pelo menos possuem super-poderes para superar os desafios.

Afinal, como seria mais fácil ir para o local da cobertura voando como o Superman e chegar já “transformado” em Clark Kent, poupando aquele dinheiro que a redação não quer pagar pela sua passagem. Ou que tal ser invencível como o herói de capa vermelha da DC Comics, na hora de cobrir a confusão policial na comunidade mais próxima, evitando o risco de ser atingido por uma bala perdida, graças à sua resistência de Homem de Aço?

Quer tirar aquela foto impossível que o seu editor vive pedindo e que não é tão fácil quanto parece? Nada melhor que ser o fotógrafo Peter Parker e usar os poderes do Homem-Aranha para se contorcer pela cidade, nos melhores ângulos, jogando a teia pelos prédios e obtendo as imagens exclusivas perfeitas para aquela capa da edição de domingo. É claro que você tem que torcer para que seu editor não seja J.J. Jameson, daquele tipo que nunca está satisfeito.

Rita Skeeter, a famosa jornalista e responsável pela comunicação em Hogwarts, adora usar sua bruxaria para se transformar em pequenos insetos e ouvir aquela conversa “proibida”. Levando ao máximo a sina de “mostrar os fatos”, ela já conseguiu diversos furos, por mais que seus métodos sejam pouco ortodoxos.

E o que falar de Bruce Nolan? O todo poderoso em pessoa? O personagem de Jim Carrey literalmente ganhou os poderes de Deus e podia fazer o que quiser, inclusive em sua atuação como repórter, cobrindo os principais fatos de Nova York. Bruce até que se acostumou bem enquanto pode, o que não é uma surpresa, afinal, nós jornalistas sempre pensamos que temos um pouquinho de poder divino dentro do que fazemos, certo?

Neste dia do jornalismo, 7 de abril, queremos lembrar com carinho daqueles com quem trabalhamos e colaboramos ao longo de todos os dias do ano. Alvos de críticas ferrenhas da sociedade, os jornalistas por muitas vezes não são compreendidos ou são injustamente acusados por buscarem fatos e trabalharem com a informação.

Isso sem falar no quanto todos têm sofrido com as constantes demissões e encerramento de veículos que atingem não só o Brasil, mas também outros países. O que precisamos neste momento é de força, ainda que ela não seja “super”, e se inspirar em personagens da ficção talvez seja uma saída para essa realidade bagunçada que vivemos.

Só cuidado para não acabar como a Zoe Barnes…