O oportunismo barato em dois lados

Nem sempre tudo é o que parece ser

Por Felipe Vinha - Em 30.03.2017


Oportunismo, por convenção, é tratado como algo ruim. Em muitos casos, porém, podemos tirar lições positivas de pessoas oportunistas, ou melhor, que agarraram a oportunidade. Comunicação é também estudar o significado das palavras, ou seja, a semiótica, e ver o espectro maior em cada acontecimento da nossa sociedade. Neste final de março ocorreu o “embate virtual” entre o atual prefeito de São Paulo, João Doria, e a loja online de livros e variedades, Amazon.

A Amazon aproveitou uma polêmica que nasceu neste ano, os chamados “muros cinzas”. No início do ano, Doria resolveu apagar grafites e pichações em paredes públicas de São Paulo, pintando-as de cinza. Como o fundo de seu leitor eletrônico, o Kindle, é também cinza, a Amazon foi lá e criou a publicidade, aproveitando as paredes como um fundo de tela e projetando trechos de livros por estas mesmas paredes. Tudo isso em um vídeo divulgado nas redes sociais.

A ação foi questionada, condenada, elogiada. A resposta da “provocação” veio logo em seguia, quando João Doria gravou um vídeo, também em redes sociais, em tom de crítica contra a Amazon. Contra-argumentou que a loja poderia, em vez de projetar livros nas paredes, doar aparelhos de leitura e até mesmo publicações para entidades carentes ou de cunho social.

Aquele pedaço de caos da semana foi formado em toda a Internet. Os dois lados, pró-Amazon ou pró-Doria, haviam se formado. No meio disso tudo, empresas que estavam “rodeando” a discussão, resolveram entrar no jogo e se oferecer para doar itens a instituições diversas: Kabum, Multilaser e Livraria Saraiva foram algumas. Houve quem criticou essas ações terceiras, mas também tivemos os lados dos elogios.

Sem deixar “por isso mesmo”, a Amazon correu atrás do prejuízo e fez um novo vídeo, desta vez convidando seus usuários a baixarem livros eletrônicos de graça para todos os seus usuários registrados. Entre eles, alguns exemplares de marcas famosas e mais cobiçados, como Star Wars, O Hobbit ou Crônicas de Nárnia.

A lição que tiramos disso é que: comunicar é também aproveitar oportunidades. Este texto não é para julgar quem estava certo em toda essa história, mas para chegar à conclusão de que, de certa forma, todos saíram ganhando – e perdendo em alguns aspectos. Doria aumentou sua aprovação com a parcela paulistana que já o aprovara, a Amazon foi elogiada pela parcela “anti-Doria” e ganhou simpatia ao distribuir livros grátis e as demais marcas, pelo envolvimento positivo, no final das contas.

O “Oportunismo”, neste caso, deu resultados positivos para todos os envolvidos, por mais que as críticas tenham recebido uma parcela de atenção. Porém, também vale pensar que mesmo as críticas foi o que impulsionou as atitudes de todos os lados. Assim, aproveitou quem soube aproveitar. E, olha, saiu barato.

A palavra pode chegar com um tom ruim ao seu ouvido. Mas o “oportunismo” vem de aproveitar uma oportunidade. Saber se comunicar e lidar com a sua imagem também faz parte disso – nem sempre se freando com críticas. Elas vão existir, sempre, e em muitos casos podem nos fazer melhorar.