Quais são as melhores cidades para se empreender?

Pesquisa da Endeavor apresenta o Índice de Cidades Empreendedoras

Por Thalita Linhares - Em 15.10.2015


No último ano a Endeavor  apresentou um estudo sobre as capitais com melhores condições para a atividade empreendedora no Brasil, o Índice de Cidades Empreendedoras (ICE). O estudo apontou aquelas que são mais propícias para o desenvolvimento de empresas e mostrou como ainda podem evoluir.

Foram analisadas 14 cidades — Belém, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, Manaus, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo e Vitória — nos seguintes critérios: *ambiente regulatório, infra-estrutura, mercado, acesso a capital, inovação, capital humano e cultura.

Todas as cidades selecionadas têm regiões metropolitanas com mais de 1% das empresas de alto crescimento do Brasil, que são aquelas que conseguem crescer acima de 20% ao ano por três anos seguidos. Atualmente há 35 mil empresas nessa categoria, o que representa apenas 1% do total do país, segundo dados do IBGE.

Na média geral dos critérios, Florianópolis saiu na frente e  tem como pontos fortes os pilares de infraestrutura, capital humano e inovação. A cidade conta com mais de 80% da população com, no mínimo, ensino básico, e um terço da população com passagem pelo ensino superior. A capital da Santa Catarina apresenta um futuro promissor, instalando cada vez mais empresas de alto crescimento.

Em seguida aparecem São Paulo e Vitória, que se destacam nas cidades para se empreender nos critérios de mercado, acesso a capital e inovação, e capital humano, respectivamente.

Esses dados são de extrema importância para os donos de negócios que buscam gerar valor por meio da criação ou expansão de alguma atividade econômica, pois apresenta aos empreendedores as variáveis que podem influenciar o desempenho de seus negócios. Conheça a pesquisa completa.

Confira o ranking  das cidades:

Florianópolis (SC)- 7,53

São Paulo (SP) – 7,46

Vitória (ES) – 7,16

Curitiba (PR) – 6,96

Brasília (DF) – 6,33

Belo Horizonte (MG) – 6,15

Porto Alegre (RS) – 5,94

Goiânia (GO) – 5,91

Rio de Janeiro (RJ) – 5,86

10º Manaus (AM) – 5,33

11º Belém (PA) 5,24

12º Recife (PE): 4,83;

13º Fortaleza (CE) – 4,77

14º Salvador (BA) – 4,53

*Ambiente regulatório: tempo de processos e custo de impostos; infra-estrutura: transporte interurbano e condições urbanas; mercado: desenvolvimento econômico e clientes potenciais; acesso a capital: capital disponível via dívida, acesso a capital de risco; inovação: intensidade de investimentos, potencial de geração de ideias; capital humano: acesso e qualidade da mão-de-obra básica, acesso e qualidade da mão-de-obra qualificada, e cultura: potencial empreendedor e imagem do empreendedorismo.