Star Trek já sabia: o mundo mobile está na palma da sua mão

Com o mercado de aplicativos mobile revolucionou o que conhecemos hoje

Por Felipe Vinha - Em 26.05.2015


Era uma cena clássica. Quando Spock ou Bones entravam em cena no antigo “Jornada nas Estrelas”, era comum vermos a dupla científica da Enterprise com algum apetrecho tecnológico nas mãos. Hoje, ao rever algumas destas cenas do seriado, notamos que esses equipamentos “mobile”, no geral, eram o que vínhamos a conhecer como os atuais tablets – sim, o mesmo que você usa para assistir Netflix ou para fazer mais pontos no Angry Birds, só que na década de 60.

Ao longo de anos, celulares e dispositivos portáteis se desenvolveram e se popularizaram. Se antes tínhamos telefones que pareciam monólitos negros, hoje eles apresentam inteligência artificial e conversam com o usuário. Se nos anos 90 usávamos os famosos pager ou celulares “tijolo”, hoje temos o mundo na palma da mão, com dispositivos que unem diversos aparelhos em um só. Mas qual é a utilidade deles, afinal?

Tem um app para isso

Os dispositivos de bolso não seriam nada sem os aplicativos, programas instalados em sua memória e que possuem funções das mais diversas – seja um joguinho ou um aplicativo de organização de tarefas, tocador de músicas e mais.

O conceito de aplicativo já existe há algum tempo, desde os antigos celulares que usavam sistemas Symbian ou Java, mas nada nunca chegou ao nível da Apple. Já faz alguns anos que a gigante do iPhone resolveu lançar sua App Store, com dezenas de aplicativos práticos e fáceis de instalar, e logo o conceito foi difundido em outras plataformas.

A novidade gerou até mesmo um jargão: “there’s an app for that”, ou, em português, “tem um aplicativo para isso”, que faz referência à versatilidade dos pequenos programas instalados nas memórias de nossos celulares. Hoje, existe um app para praticamente o que você desejar fazer com seu celular em mãos: desde calcular gastos, carona, procurar paqueras, horário de cinema, receitas, fotos e até mesmo para controlar seus passos e fazer exercícios.

Aproveitando o mercado

Já são milhares as empresas que produzem aplicativos mobile, seja para iOS, Android ou Windows Phone. Só na App Store já temos mais de 1,4 milhão de aplicativos disponíveis, entre pagos e gratuitos. O número do Google Play chega próximo, enquanto a Windows Store oferece pouco mais de 800 mil programas disponíveis aos donos de seus aparelhos.

As receitas geradas por esse mercado apresentam números impressionantes. Só na primeira semana de 2015, a Apple já havia registrado mais de US$ 500 milhões gastos por seus usuários com aplicativos. Desde 2008, quando foi lançada, a App Store já pagou nada menos que US$ 25 bilhões a desenvolvedores.

Google, Facebook e Microsoft já embarcaram no sucesso dos apps e lançaram os seus próprios, não se limitando apenas às suas plataformas. Os investimentos são gigantescos, a ponto de companhias gigantescas comprarem pequenas produtoras. Além delas, outras desenvolvedoras menores e de médio porte também se aventuraram nesse mercado.

Mas é claro que a lista não para por aí e, se você quiser conhecer alguns dos aplicativos mais quentes do momento, a dica é abrir já a loja online disponível no seu telefone ou tablet e conferir de perto o que há em oferta ou em apps gratuitos. Não deixe de clicar na opção de mais vendidos ou nos que estão em destaque, para não ficar por fora das novidades.

Para aqueles com mais idade, ou que acompanharam seriados da TV em tempos antigos, isso pode ou não pode ser uma verdadeira novidade arrebatadora, já que era comum vermos isso nas aventuras de Kirk e Spock. Mas não tem problema, se você não viu, pode rever de alguma forma – afinal, Star Trek já sabia, onde nenhum homem jamais esteve, que existe um aplicativo para isso.