2016 já chegou, mas o Japão está na nossa frente

Acha que é hora de agir? Na verdade ela já passou

Por Felipe Vinha - Em 05.01.2016


No final de dezembro tive a oportunidade de fazer uma rápida visita ao Japão, mais precisamente em Tóquio. Após uma cansativa viagem de quase 24 horas, cheguei impressionado à cidade, bombardeado com muita informação e novidades. Apesar de ser grande fã da cultura japonesa, ainda consegui me surpreender com muito do que vi por lá.

O Japão é um país maravilhoso e com muitas qualidades. Cinco dias foram suficientes para ter de perto a experiência do que é viver em uma das sociedades orientais mais avançadas dos últimos tempos. O mais interessante é que, apesar de respirar tecnologia, os japoneses ainda mantém muito fortes as suas raízes, o que inclui templos milenares, xintoístas e budistas, espalhados por seus bairros.

Em um rápido tour feito por Tóquio, foi possível conferir de perto o bairro eletrônico de Akihabara, famoso por suas inúmeras lojas de gadgets e produtos de desenhos animados, Ginza, considerado o “bairro rico” das redondezas, além de templos, a popular Torre de Tóquio e também seu icônico sistema de trens, que liga toda a cidade de forma simples.

Comer as comidas típicas, escutar o clássico “irashaimasê”, tradicional “bem-vindo”, em todas as lojas que entrar, tomar um típico chá japonês e gastar praticamente todos os ienes que levei na carteira fizeram parte da minha programação. A comida, em particular, é muito boa, e não, eles não comem apenas sushi.

Fechei meu ano do outro lado do mundo, pensando em como seria o futuro. Neste início de 2016, quando traçamos metas para os próximos meses, lembro de um fato importante e que passa quase em branco quando estamos fora do país, principalmente tão distante: enquanto você pensa, o Japão já está na frente. Resolvi adotar como um novo mantra.

E não apenas o país do sol nascente, mas também a China, a Coreia do Sul, a Austrália. Enquanto traçamos planos para começar “só na segunda-feira”, ou “só ano que vem”, em outros lugares essa segunda já chegou, esse ano já chegou, a semana que vem acabou de começar.

Claro que isso não é mais uma questão clichê da nossa “síndrome de vira-latas”. Viver “no futuro” pode ou não influenciar nos avanços que estes países – e seus moradores – conseguem, mas independente da localidade, é sempre preciso pensar como se o amanhã já estivesse entre nós (spoiler: na verdade ele está, acabou de passar, não viu?). É preciso enxergar além do óbvio e pensar na figura de linguagem.

Seja você empreendedor, funcionário já colocado no mercado, estudante com carreira em andamento ou alguém que está apenas pensando qual caminho seguir no mercado de trabalho ou tem algum projeto na cabeça, esse também pode ser um bom mantra para 2016. O ano já começou, mas enquanto estávamos nas 13 horas de 31 de dezembro, por lá os japoneses já comemoravam o ano novo. Enquanto você pensa hoje, ao mesmo tempo pode ter alguém colocando uma ideia similar na prática, e “roubando” seu lugar no universo.

E aí, 2016 está aí. Dezembro logo, logo, chega.